quarta-feira, 27 de julho de 2011

MESTIÇAGEM METE MEDO

*Igor Natusch*

Em um manifesto publicado na internet, o terrorista norueguês Anders Behring
Breivik usa o Brasil para justificar os ataques que mataram 76 pessoas na
Noruega na última sexta-feira (22). Trechos do documento de cerca de 1600
páginas, no qual constam informações sobre a ideologia de Breivik e os
preparativos para os ataques, retratam o Brasil como um exemplo do que
poderia acontecer na Europa caso não fosse evitado o “genocídio das tribos
nórdicas” por meio da “diluição” de seu genótipo em outras etnias. Para o
terrorista, o Brasil vive uma “revolução marxista” e sofreu um processo de
“bastardização”.

Atirador norueguês vê bastardização¹ do Brasil como risco à Europa
 umanovaculturapolitica@googlegroups.com


não lembrarei da 'besta loura' de Nietzsche nesta hora de xenofobia e ódio glacial na Europa branca de olhos azuis e adjacências.

Porém recordo Franz Fanom (psiquiatra, militante comunista na guerra anticolonial na Argélia, negro da Martinica), quando ele escreveu:

"falarei com toda serenidade, por que há muito tempo o grito partiu de minha vida; mas falta dizer: existem imbecis demais no mundo"...
["Les damnés de la Terre", trad. livre do Zé]

o perigoso filhote norueguês de Hitler não está só neste mundo pós-moderno. Como ele, até abaixo do equador e na África do Sul, muitos outros imbecis não sabem que são descendentes da mãe África e que sem as Índias e a mestiçagem global; a partir da antiga civilização do Egito e do helenismo greco-romano; as tribos germânicas, provavelmente, ainda estariam mergulhadas em barbárie, como informa a saga dos Vinkings. O pior de tudo é que - por incrível que pareça - existem neonazistas mulatos e até alguns mamelucos metidos a besta!

Porém o que mais os ameaça não são mestiços marxistas do Brasil na Ámerica Latina, mas a loucura das máquinas industriais movidas a combustível fóssil, petróleo à frente; donde o reino da Noruega tira a maior parte de seu sustento do fundo do Mar do Norte.

Boa sorte para eles, mas já há algum tempo "nossa" Petrobras (cheia de mestiços criativos e produtivos) não lhes ficam atrás... Além do mais, quando já que apenas cinco milhões de noruegueses iriam consumir tanto bacalhau 'made in Noruega' (gerando lá emprego e renda nacional) competindo com o bacalhau do avozinho Portugal, sem o arraigado costume gastronômico das ex-colônias, notamente o Brazil zil zil? 


Sem falar que o generoso Amazonas, com suas águas quentes, através da corrente das Guianas e da 'Gulf Stream" vai levar calor às águas geladas do Ártico, com que a vida se tornou possível naquelas frias paragens da Terra, inclusive cardumes de "
Gadus morhua", com que fabricar e exportar bacalhau.

Imbecis semelhantes ao paradoxal
terrorista da Noruega (digamos assim, com todas as letras, diante da compreensível hesitação da mídia do Patropi alinhada) deviam ter mais noção da vida real do planeta Terra e maior respeito ao exterior de suas respectivas nações!

Como se tudo isto não bastasse, o próspero e pequeno reino da Noruega (população menor do que a do Pará e território equivalente ao Amapá, p.ex.), num movimento de mercado entre a para-estatal
Norsk Hydro e a empresa privada Vale) tornou-se controladora da ALBRAS/ALUNORTE na cadeia global do aluminio. Onde do Pará bauxita barata e mão de obra mestiça mal assalariada (em Barcarena dizem à meia voz para não perder emprego, que existem cerca de 400 operários acometidos de doenças do trabalho....) vai, além mar, produzir riqueza e bem-estar nórdico sob o governo "marxista" de Oslo (causa permanente de inveja de conservadores em Pindorama).


Em 26 de julho de 2011 13:43, Célio Turino escreveu:

Respondemos com Darcy Ribeiro: MESTICO QUE E BOM!
Celio Turino

Nenhum comentário:

Postar um comentário