domingo, 27 de março de 2011

Ver O Peso, 384 águas de Março

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Mercado Ver-o-Peso.
O Ver-o-Peso é um mercado situado na cidade brasileira de Belém, no estado do Pará, estando localizada na Avenida 16 de novembro. Símbolo da cidade, é sua maior atração turística e a maior feira livre da América Latina. O mercado do ver-o-peso abastece a cidade com variados tipos de gêneros alimentícios e ervas medicinais do interior paraense, fornecidos principalmente por via fluvial. Foi eleito entre as 7 Maravilhas do Brasil.
Localizado na área da Cidade Velha e diretamente às margens da baía do Guarajá, foi construído em 1625 no porto do Pirí, assim chamado na época. Enquanto um entreposto fiscal, seu nome faz jus às chamadas Casas do Ver-o-Peso, projetadas no Brasil, em 1614, para conferir o peso exato das mercadorias e cobrar os respectivos impostos para a coroa portuguesa. A partir de então foi popularmente denomindo lugar de Ver-o-Peso, dando origem ao nome do mercado, já que era obrigatório ver o peso das mercadorias que saiam ou chegavam à Amazônia, arrecadando-se os impostos correspondentes. No final do século XIX e XX, o local que temos hoje por Complexo sofreu uma série de modificações tanto funcionais quanto em sua paisagem se adaptando às necessidades e gostos da Belle Époque. Foi nessa época que houve aterramento da Baía do Guajará, amplicação do Mercado de Carne, construção do porto e o Mercado de Ferro.
O mercado faz parte de um complexo arquitetônico e paisagístico que compreende uma área de 35 mil metros quadrados, com uma série de construções históricas, dentre elas o Mercado de Ferro, o Mercado da Carne, a Praça do Relógio, a Doca, a Feira do Açaí, a Ladeira do Castelo e o Solar da Beira e a Praça do Pescador. O conjunto foi tombado pelo IPHAN, em 1997.

Hoje o Ver O Peso completa 384 anos de muitas e muitas vidas e lidas,
Hão de dizer que está velhinho:
Mas,não! Ao contrário,vai cada vez mais para o bem e o mal
ficando moço ribeirinho.

Na festa de 2016 quando a Cidade do Pará, nossa Belém da Amazônia, vai completar o quarto centenário de fundação;
a maior feira aberta da América Latina fará 391 anos.

Como então, o Ver O Peso se é da feira que se fala?
Claro, é a feira do Ver O Peso. 
Este um é mais do que cada uma de suas partes
Bicho de sete cabeças: mercado da carne e do peixe,
frutaria regional, ervas mil e raízes aos montes,
histórias em quantidade, academia do peixe frito,
universidade da maré...

O moderno abre os braços à tradição, os velhos se reconhecem
aqui e os jovens vem aprender a inventar o futuro
sem danos ao patrimônio.

O rio no mês de março sobe a Ladeira do Castelo
que nem o cacique Guaimiaba queria tomar a sua parte no Presépio
de resto quando as águas descem da Praia
é a vez da Cidade Velha se aventurar à conquista das ilhas.

E assim vai esta infinita dialética da paisagem cultural
Bicho de sete cabeças de uma geografia ribeirinha singular:

A ver o peso da tradição na reinvenção da modernidade,
o peixe frito nosso de cada dia a remoçar o velho Mercado de ferro 
cuja história vem apenas de começar agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário