sexta-feira, 4 de março de 2011

DELTA-ESTUÁRIO DO MAIOR RIO DA TERRA

O mapa da ilha

Localizada na foz do rio Amazonas, no estado do Pará, a Ilha do Marajó faz parte do arquipélago e região que constituiu a "Amazônia Marajoara"; a ilha grande foi ocupada no início do século XVII, a partir de 1623 com a tomada de Gurupá pelos portugueses, donde os holandeses foram expulsos. Em realidade, só depois da pacificação dos "Nheengaíbas" [grupos nuaruaques que dominavam as Ilhas e ameaçavam a posição portuguesa no Pará], em 1659; e com a construção do primeiro curral de gado no rio Arari, em 1680, teve início a colonização da Ilha do Marajó. 

Antes da colonização, um longo período pré-colonial se desenvolveu durante cerca de 5.000 anos. Entre os anos 400 e 500, depois de Jesus Cristo; teve início na microrregião Arari a primeira cultura complexa (tipo cacicado) da Amazônia: a célebre Cultura Marajoara cuja cerâmica, levadas de sítios arqueológicos na ilha, se acha dispersa em vários museus no país e no exterior. Em detrimento do único museu em toda a região marajoara (16 municípios e quase 500 mil habitantes) -- o controvertido MUSEU DO MARAJÓ www.museudomarajo.com.br. A colonização inicial do Marajó deu-se através de ordens religiosas (Jesuítas, Mercedários e Carmelitas) mediante a catequização dos nativos e implantaram as primeiras fazendas de gado sob a posse dos donatários da Capitania hereditária da Ilha Grande de Joanes (1665 -1757) que distribuiram sesmarias, inclusive a particulares. 

Daí a origem dos famosos latifúndios da ilha com seus quase cinquenta mil quilômetros quadrados - área equivalente à do estado do Rio de Janeiro e maior que a Suiça. A Ilha do Marajó fica dividida em duas microrregiões – Furos de Breves à oeste com densas florestas de várzeas inundadas e Arari à leste com campos baixos, secos no verão e alagados no inverno – e com uma população em torno de 400 mil habitantes, distribuídos em doze municípios. A ilha apresenta diversidade cultural construída no sincretismo dos saberes de seus habitantes naturais, africanos e europeus como em todo o país. 

No entanto, fatores como sua localização e conformação geográfica natural, a inerente dificuldade de comunicação e transporte entre suas cidades e a capital do estado, Belém; seu isolamento e sua realidade sócio-política quase feudal ainda em pleno século XXI, tornam o Marajó um lugar ímpar, onde seu povo construiu um universo cultural próprio que surpreende e maravilha aqueles que por lá transitam, sem a ótica, o preconceito e a prepotência dos colonizadores.

[ editado com http://marajoando.blogspot.com/ ]

2 comentários:

  1. Uma pergunta: inverno e verão seguem aí como do lado de lá da Amazonia ou como aqui onde estou, sudeste do Brasil ?
    No mais adorei o post e vou continuar passeando pelo blog...

    ResponderExcluir
  2. Aqui no Norte do BR existem duas estações: numa chove e noutra chove ainda mais.

    ResponderExcluir