segunda-feira, 30 de abril de 2012

FELIZ ANIVERSÁRIO, PONTA DE PEDRAS





“Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.”
          Fernando Pessoa

VELHOS SENHORES DA PRAÇA MATRIZ

Cá ao por do sol sentado na praça o rio da memória
a reponta vem a mim à boca da noite
vem de bubuia na maré do tempo o que me sobrou da vila que nem vila era
verde canavial à beira do maior rio do mundo-aldeia
vilarana do Itaguary
caldo de cana caiana no igarapé Armazém chão tão negro de queimadas
varjas em labaredas encarnadas subindo a riba de açaizeiros em transe
espingarito das ideias
sangue, suor e lágrimas na doce garapa passada pelo sarilho da história
vinho tinto de açaí amassado no alguidar e coado na peneira da memória:
peço licença, então, aos senhores da boca da noite pra me abancar à ilharga
ouvir contar velhas estórias da invenção deste e doutros mundos
o senhor Fontes de guarda-chuva prevenido,
doutor Ovídio engenheiro do futuro da máquina a vapor,
Paulo Figueiredo moderador das críticas mais ardidas aos ausentes,
Edgar sapateiro do Espírito Santo lacônico e mais sisudo de todos.

Volto a ser menino abelhudo entre fantasmas e lendas do rio
fico a vagar com as lembranças no escuro
paisagem oculta da terceira margem do Marajó-Açu
viagens redondas em montaria a remo entre este e o outro rio Arary
que nem o carpinteiro Camilo a conversar com as visagens da praça
horas mortas:
ele soltando o verbo cheio de espírito da garrafa do bar do Lindolfo
eu, coitado, bêbado de recordações e imaginações
dos primeiros dias e noites do Fim do Mundo
ilha paresque que se transforma em cobragrande e navio encantado
Nossa Senhora da Conceição desce do altar e vai passear nas praias
caminho do Belém no Campinho ao Santo Lenço até Mangabeira:
acaso dando azo à conclusão da concebida e ingênua fábula
dos pescadores reação à mudança da antiga freguesia da beira da baía.

Tudo isto porém depois que a Usina de Luz se apagou
parou a força de seus cavalos-vapor cansados de trabalhar como lenhadores
fatigados da tiração de lenha na mata pública entre o Arapiná e o Dixiú
justa aposentadoria do senhor Veloso
escada às costas para acender bicos de lampião à gás de carbureto
iluminação supimpa ainda do tempo do velho intendente José Ventura plantador de mangueiras da nossa primeira arborização de rua
ouvir o relógio da Matriz bater as 12 badaladas da meia-noite
lembrar a estória de como coletores de óbulos para construção da igreja
deram corda e pegaram na palavra o senhor de engenho da Campininha
pra trazer o famoso relógio que parte e reparte as horas e a vida da vila
Pedro Malato e Luciano Pereira a engendrarem a pior visagem que existiu
com mãos invisíveis a tocar finados no campanário da igreja
ah, Por Deus!
O pânico saiu de controle e quem queria meter medo aos outros
morria de medo de levar sova
quebrando o caroço mágico onde antigamente se escondiam as trevas
da primeira noite do mundo
guardada no fundo do rio pela cobragrande da ilinha do Coati
confronte ao Fim do Mundo
o eletricista Amanajás foi dormir mais cedo o merecido sono
sonhando com a bateria da orquestra deixada a bordo do  navio do Loide
quando ele se encantou por uma linda moça pontapedrense chamada Cirene
devota dedicada e diretora da festa do casamenteiro Santo Antonio.

O rio Marajó grande em pessoa comigo às vezes se confunde
eu me afogo novamente em suas águas turvas de aguardente e sesta
engenho das ideias de fogo morto sob chuva e mudança dos ventos
impotente que nem um cão capado na porta do mercado às moscas
ver a cachorrada no cio pensando na barrigada que ele faria se fosse inteiro
a sonhar com o ócio da Terra sem males prometida pelos caraíbas canibais
ou o santo Paraíso falado pelos padres e pastores
malgrado os males do inferno verde nesta nossa vida ribeirinha.

Eu não sou galo, mas porém eu canto de madrugada pra despertar a manhã:
a quase morte do pequeno que fui naquele dia no banho de rio
à ilharga da ponte do João Ramos
iria matar o poema no nascedouro, abortar a estória geral do Curralpanema.
O perau era paresque armadilha do tal Abismo no raso por acaso
Casa da Beira o estaleiro da canoa “Africana” que era barco “Santiago”
do meu avô Chico Varela feito a capricho pelo mestre Maximino Vieira
avô do meu mano Zequita e da mea mana Zezé, filhos da tia Palmira
barco esse que virou igarité freteira de comércio do senhor João Ramos
bom português beirão emigrado ao Grão-Pará parou em Ponta de Pedras
pelos encantos de Dona Iaiá Carneiro com quem casou, fez o Chalé
e fundou grande família pontapedrense
a canoa “Africana” virou geleira “São Judas Tadeu” do Renato Machado
que tornou a ser barco, paresque,  nas rotas do contrabando das Guianas
levando lá fora café em grão que o sargento-mor Palheta furtou de Caiena
idos de mil e 700 para fazer ricos cafezais em São Paulo via grão Pará
idas cavilosas e voltas clandestinas nos anos da Graça de mil 9centos e 60
ao sonzão de merengue, mambo, salsa, cumbia, calipso
pra dar bacana em ‘zouk-machine’ & tecnobrega do tremendão Tupinambá
índio canibal, sim senhor, civilizado pra ser DJ do Apocalypso.

Salvou-me de ser morador precoce do fundo reino encantado da Boiúna
e virar mais um anjinho da mortalidade infantil no Cemitério Municipal
o filho do carpinteiro Camilo compadre de meu pai,
o pirralho pretinho nadava como peixe e eu tralhoto jito na beira
morrendo de inveja fui me arriscar sem ao menos uma bóia de miriti.
Taqui pra ti moleque safado, égua mano: quase morri afogado...
Bem feito!
Se escapou da voragem do rio vá estudar e aprender a ser gente de fato
no mato sem cachorro.

Oh, como eu queria na boca do Campinho ouvir estória de Mestre Orestes
saber do Parriba, Suruaia, mestre Paulo Mala Real, João Catumbi e todos mais ali...
Todos nomes de canoas do Itaguary como contas de um rosário de contos das 1001 noites da Casa da Beira e bar do Emérito: memorial do Açaí
ou da ‘Euterpe oleracea’ pra gente metida à besta: desde o emblemático
bote leva e trás chamado “O Boateiro” com um galo só por despertador
e proeiro o navegador Catumbi solitário na cana de leme à popa...
Caripirá, Dinoca, Thetis, Caprichosa, Rosa de Maio, Patativa, Sincera...
O museu das igarités mora na beira do rio no estaleiro de mestre Maximino
sobre palafitas invisíveis.

Agora toca a mexer com guardados do fundo do baú da avó Sophia
(na verdade tia):
o sítio Menino Deus do Paricatuba tem a chave do romance iberiano
do tio Dalcídio no retiro dele lá em Salvaterra depois da prisão
cadeia de São José cativo que iria ser Liberto mais tarde
escreve “Marinatambalo” depois de “Chove nos campos de Cachoeira”
digo, o fora de série “Marajó”comendo o pão que o Diabo amassou...
Orminda objeto de desejo e pecado incestuoso do coronel Coutinho,
Alaíde amásia resignada do filho progressista do coronel conservador
o bardo Ramiro da irreverente chula comido de piranhas e cachaça no lago
Criaturada grande toda ela clamando: profecia do avô Bibiano no miritizal
aquele grito tamanho chamado da mãe África
a povoar regiões amazônicas antes que se acabe o derradeiro Índio:
                     “Missunga, ó Missunga!”....
grito da senzala mato adentro na hora da sesta, João Maçaranduba caduco pegando menina negra, surrando negro dormindo no canavial
deixa estar, senhor, o Cão dos infernos vem te buscar em vida diz a chula...
    “Maçaranduba é boa madeira / João Calandrine não é brincadeira”
Ah, por que meu preto velho, não ensinastes o caminho do mocambo
àqueles perdidos que varavam a noite aos gritos pelos campos estranhos?
fantasmas da escravatura ainda gemem dentro de nós pedindo:
                    “Me ensina o caminho, me ensina o caminho”...
Libertas e serás também, meu senhor e minha senhora dona!

Um novo dia há de amanhecer na beira da Mangabeira
velha tapera da avó indígena desta brava gente do Itaguary:
aqui o Marajó começa
promessa que faz rebrotar a flor encarnada sobre cercas e muros, rimas, prosas e versos de amor: rumos, remos e velas
refazenda duma bela aldeia no Fim do Mundo.

                      “Bem vindos e vejam que as pedras que somos,
                        não estão de pontas, mas ligadas entre si.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário