domingo, 26 de junho de 2011

UM PAÍS CHAMADO PARÁ

a crítica fica capenga quando a autocrítica falece: Onde nós mesmos, como indivíduos, concorremos para falha de alguma coisa que devia ser coletiva?

quem me conhece sabe que sou metido a crítico de certo paraensismo rasteiro alimentado por complexo de inferioridade regionalista. Pra mim, caboco num tem "l" civilizacional enrolando a língua, mea ilha nativa é DO Marajó (não DE Marajó...); o dito cujo é cidadão do mundo, a Cultura Marajoara ARTE PRIMEVA do Brasil e Marajó é "centro" do mundo... neotropical !

Acho legal o projeto "Terruá Pará", mas adoraria ir além e proclamar a independência cultural do nosso Pará velho de guerra. Juntar todas Amazônias e Antilhas em Belém, no carimbódromo da Aldeia Amazônica; pra soltar a voz presa dentro de nós (pena que a gente já dormiu no ponto há muito tempo... Mas antes tarde do que nunca).
aí vai hino "oficial" da Cultura Paraense:

Porto Caribe

Lucinha Bastos

Composição: Paulo André Barata/Ruy Barata
Quem vai querer, vai querer
Vai querer desarrumar
Quem vai querer, vai querer
Vai querer lambadear

Eu sou de um país que se chama Pará
Que tem no Caribe o seu porto de mar
E sei pelos discos do velho Cugat
Que yo, ay yo no puedo vivir sin bailar

Lambada, Nêga, vem cá
Neguita, Nêga me dá
Me dá que eu dou
Te dou aquele fungá
Das ilhas de bom chamar amor

Calar, eu me calei
Agora vou falar
Paris se cheguei vou ficar
New York, Moscou, Berlin e Bogotá
Eu sou mandinga do meu Pará
Lambada, Nêga, vem cá
Neguita, Nêga me dá
Me dá que eu dou
Te dou aquele fungá
Das ilhas de bom chamar amor
Deixa eu bailar, deixa eu bailar, deixa eu bailar...


http://www.souparaense.com/2011/04/musicos-paraenses-se-apresentarao-em-sp.html#comment-form

Nenhum comentário:

Postar um comentário